Notícias

INFORMATIVO ANVISA

Produtos saneantes para o combate ao Aedes aegypti

 

Os produtos mais utilizados no combate e/ou no controle da população do mosquito Aedes aegypti são:

Inseticidas: indicados para matar os mosquitos adultos. São encontrados, principalmente, em spray e aerossol. Os inseticidas possuem substâncias ativas (que matam os mosquitos) e componentes complementares, como solubilizantes e conservantes;

Repelentes: apenas afastam os mosquitos do ambiente. São encontrados na forma de espirais, líquidos e pastilhas utilizadas, por exemplo, em aparelhos elétricos. Como no caso dos inseticidas, substância ativa e componentes complementares precisam ser aprovados pela Anvisa. Os repelentes utilizados em aparelhos elétricos ou espirais não devem ser utilizados em locais com pouca ventilação nem na presença de pessoas asmáticas ou com alergias respiratórias. Podem ser colocados em qualquer ambiente da casa desde que estejam, no mínimo, a dois metros de distância das pessoas.

Os inseticidas chamados “naturais”, à base de citronela, andiroba, óleo de cravo, entre outros, não possuem comprovação de eficácia. Portanto, todos eles estão irregulares. Ou seja, as velas, os odorizantes de ambientes, os limpadores e os incensos que indicam propriedades repelentes de insetos não estão aprovados pela Agência.

O óleo de neem, que possui a substância azadiractina, é aprovado pela Anvisa para uso em inseticidas, mas o produto deve estar registrado.

Os equipamentos que emitem vibrações, CO2 ou luz, plantas e sementes que funcionariam como atrativos para os mosquitos ou equipamentos com outras tecnologias não são considerados saneantes passíveis de regularização junto à Anvisa.
Para consultar os produtos saneantes regularizados na Anvisa, clique aqui.

SAIBA MAIS SOBRE LARVICIDAS

RECOMENDAÇÕES PARA USO DO LARVICIDA NOVALURON PARA O CONTROLE DO AEDES AEGYPTI

INFORMATIVO BIO SYSTEM PEST CONTROL DE SAÚDE PÚBLICA

Mais de mil cidades podem ter surto de dengue, Zika e Chikungunya

 

Ao todo, 5.191 municípios realizaram algum tipo de levantamento que classifica o risco de aumento das doenças causadas pelo Aedes aegypti
O novo Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) indica que 1.153 municípios brasileiros (22%) apresentaram um alto índice de infestação, com risco de surto para dengue, zika e chikungunya. O Ministério da Saúde alerta a necessidade de intensificar as ações de combate ao Aedes aegypti, mesmo durante o outono e inverno, em todo o país. Ao todo, 5.191 municípios realizaram algum tipo de monitoramento do mosquito transmissor dessas três doenças, sendo 4.933 por levantamento de infestação (LIRAa/LIA) e 258 por armadilha. A metodologia da armadilha é utilizada quando a infestação do mosquito é muito baixa ou inexistente.
Confira a lista de municípios
Saiba tudo sobre o combate ao Aedes aegypti
“O resultado do levantamento indica que é necessário dar mais atenção nas ações de combate ao mosquito. A prevenção não pode ser interrompida, mesmo no período mais frio do ano”, alertou o secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Osnei Okumoto. Segundo o secretário, a continuidade das ações é importante para manter baixos os índices de infestação, justamente para quando chegar a época de maior proliferação. “Assim será possível manter a redução do número de casos” explicou o secretário.

Além das cidades em situação de risco, o levantamento identificou 2.069 municípios em alerta, com o índice de infestação predial (IIP) entre 1% a 3,9% e 1.711 municípios com índices satisfatórios, inferiores a 1%. No total, 20 capitais realizaram o Levantamento Rápido de Índices por Aedes aegypti (LIRAa), duas capitais fizeram por armadilha e 5 não enviaram informações. Apenas três capitais estão com índice satisfatório: São Paulo (SP), João Pessoa (PB) e Aracaju (SE). Duas capitais estão em risco: Cuiabá (MT) e Rio Branco (AC). Quinze capitais estão em alerta: Rio de Janeiro (RJ), Fortaleza (CE), Porto Velho (RO), Palmas (TO), Maceió (AL), Salvador (BA), Teresina (PI), Recife (PE), Brasília (DF), Vitória (ES), São Luis (MA), Belém (PA), Macapá (AP), Manaus (AM) e Goiânia (GO).
As capitais Boa Vista (RR), Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Florianópolis (SC) e Campo Grande (MS) não enviaram informações. Os municípios de Natal (RN) e Porto Alegre (RS) realizaram levantamento por armadilha. Os dados foram coletados no período de janeiro a 15 de março.

O Levantamento Rápido de Índices por Aedes aegypti (LIRAa), é um instrumento fundamental para o controle do vetor e das doenças (dengue, zika e chikungunya). Com base nas informações coletadas, o gestor pode identificar os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito, bem como o tipo de criadouro predominante. O objetivo é que, com a realização do levantamento, os municípios tenham melhores condições de fazer o planejamento das ações de combate e controle do mosquito.

CRIADOUROS

 

A metodologia permite identificar onde estão concentrados os focos do mosquito em cada município, além de revelar quais os principais tipos de criadouros predominantes. Os resultados reforçam a necessidade de intensificar imediatamente as ações de prevenção contra a dengue, zika e chikungunya, em especial nas cidades em risco e em alerta.
Saiba como é o ciclo do mosquito Aedes aegypti
O armazenamento de água no nível do solo (doméstico), como tonel, barril, foi o principal tipo de criadouro na região nordeste. Nas regiões norte, sul e centro oeste, o maior número de depósitos encontrados foi em lixo, como recipientes plásticos, garrafas PET, latas, sucatas e entulhos de construção. Na região Sudeste predominaram os depósitos móveis, caracterizados por vasos/frascos com água, pratos e garrafas retornáveis.

AÇÕES

 

As ações de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti são permanentes e tratadas como prioridade pelo Governo Federal. Desde a identificação do vírus zika no Brasil e sua associação com os casos de malformações neurológicas, o governo mobilizou todos os órgãos federais (entre ministérios e entidades) com a criação da Sala Nacional de Coordenação e Controle (SNCC) para combate ao Aedes, coordenada pelo Ministério da Saúde, que orienta e articula ações contínuas ao longo do ano com governos estaduais e municipais para combate ao vetor e monitora a situação epidemiológica e as atividades para enfrentamento do mosquito.
Para isso, o Ministério da Saúde tem garantido orçamento crescente aos estados e municípios. Os recursos para as ações de Vigilância em Saúde, que inclui o combate ao Aedes aegypti, cresceram nos últimos anos, passando de R$ 924,1 milhões em 2010 para R$ 1,94 bilhão em 2017. Para 2018, a previsão é que o orçamento de vigilância em saúde para os estados chegue a R$ 1,9 bilhão. Este recurso é destinado à vigilância das doenças transmissíveis, entre elas dengue, zika e chikungunya. O recurso é repassado mensalmente a estados e municípios.

 

CASOS DE DENGUE, ZIKA E CHIKUNGUNYA

 

Em 2018, até 21 de abril, foram notificados 101.863 casos prováveis de dengue em todo o país, uma redução de 20% em relação ao mesmo período de 2017 (128.730). Também houve queda expressiva no número de óbitos. A redução foi de 44%, passando de 72 em 2017 para 40 em 2018.

Em relação à chikungunya, foram registrados 29.675 casos prováveis de febre chikungunya. A redução é de 65% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 86.568 casos. Em 2018, houve 4 óbitos confirmados laboratorialmente. Em 2017, no mesmo período, foram 83 mortes.

Também foram registrados 2.985 casos prováveis de Zika em todo país, uma redução de 70% em relação ao mesmo período de 2017 (10.286). Neste ano, foi registrado um óbito pela doença.

http://portalms.saude.gov.br

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS PARA RESTAURANTES COLETIVOS

Bed Bugs: Percevejos Infestam Nova York!

Percevejo AKA Bed Bug (Cimex Lectularius)
Percevejo AKA Bed Bug (Cimex Lectularius)

Infelizmente este não é o título de algum filme barato de horror. Nova York está sendo invadida por percevejos. Eles foram encontrados em escolas, lojas, hotéis e em residências. Mesmo os lugares mais luxuosos estão tendo problemas com esses parasitas desagradáveis. Como o número de edifícios infestados cresce em Nova York, os turistas tornaram-se hesitantes em visitar a cidade.

The Waldorf Astora, um hotel luxuoso na Park Avenue em Nova York, está sendo processado por três pessoas que afirmam terem sido atacadas por percevejos durante a sua estada ali em ocasiões diferentes. Um hóspede entrou com um processo contra o hotel no valor de $ 10 milhões.

O hóspede alega que acordou coberto de percevejos. Seu advogado tem fotos de seu cliente com um monte de picadas na pele.

 

The Waldorf Astoria é de propriedade da Hilton Worldwide. Será que essa empresa fez o suficiente para erradicar percevejos do hotel? Se não, os clientes vão continuar a processar, isso é certo.

 

A equipe do Clique Nova York sugere cautela na escolha do seu hotel. Possuímos uma lista especial de hotéis os quais trabalhamos juntamente com a gerência e temos a consciência tranquila que são hospedagens higiênicas, onde o gerenciamento realmente faz todo o possível para evitar a infestação desta peste desagradável.

Percevejo AKA Bed Bug (Cimex Lectularius)
Ataque severo de Bed Bugs (Imagem: AHA
Infestação de Percevejo no colchão (imagem: AHA)
Vestígios (excrementos) de Percevejos Imagem (AHA)
Ciclo da vida do Percevejo (fonte: Wiki)
picadas de percevejo severas

Sugerimos também recorrer à internet para checar a presença de percevejos nos estabelecimentos através da contribuição de usuários das redes sociais. Usando websites como o bedbugregistry.com e tripadvisor.com é possível rastrear a ocorrência repetitiva das pestinhas em determinados estabelecimentos.

Esse problema de percevejos em New York já vem ocorrendo faz algum tempo, mas é justamente na temporada de inverno que a coisa costuma piorar, é preciso muito cuidado em escolher onde se hospedar.

Dito isso, a essa altura do campeonato, os hotéis idôneos são provavelmente os lugares mais bem tratados pois já estão tomando suas devidas precauções faz tempo, utilizando inclusive cães farejadores treinados na detecção de percevejos, que são popularmente conhecidos como ”bed bugs” (bichos de cama) em inglês. Todos os quartos devem ser checados diariamente por empregados treinados na detecção da peste.

Basta certificar-se então de escolher um hotel responsável. Nossa experiência indica que isso não tem relação com o valor da diária, ao exemplo do Waldorf acima, e sim de como o gerenciamento do hotel previne e responde à ameaça.

O problema maior então passa a ser os lugares onde a infestação é inesperada, como lojas de departamento e cinemas, especialmente no inverno, devido à alta concentração de pessoas em ambientes fechados. Evite “contato imediato” com multidões em lugares fechados, pois os percevejos podem pular feito pulgas. Lembre-se que eles estão atacando a todos sem descriminação, desde os ambientes mais populares aos mais exclusivos.

 

O que fazer se for “atacado’ por percevejos?

 

Felizmente estas criaturas não transmitem aos humanos nenhuma doença ou infecção conhecida, mas o distúrbio mental pode ser severo, além das mordidas realmente irritarem a pele e coçar muito. Na menor desconfiança, a primeira coisa a fazer e comunicar-se imediatamente com a gerência do hotel (passe por cima da recepção) e exigir a mudança de quarto ou mesmo de hotel. Produtos farmacêuticos como Bactin e Neosporin desinfetam as mordidas e aliviam a coceira.

Percevejos são sobreviventes avançados e muito resistentes. eles conseguem hibernar por longo tempo sem se alimentar e são basicamente imune à pesticidas devido a seu diminuto tamanho e a maneira com que consegue se proteger do ambiente nas menores frestas.

Os percevejos se alimentam exclusivamente do sangue de animais endotérmicos (de ‘sangue-quente”) como o ser humano e seus bichinhos de estimação, então certifique-se de não transporta-los para outro hotel (ou pior, sua casa!)

Caso tenham alguma dúvida sobre essa infestação desagradável e/ou precise da relocação e novas reservas de hotel, não hesite em contactar o site Trip Advisor.

Um ponto positivo nesta estória é o fato de que o pior já passou pois tanto a cidade de Nova York, como os hotéis e pontos comerciais estão mais do que cientes do problema e de como isso afeta seus negócios…mas todo cuidado é pouco.

 

PS: Para quem está viajando pelo EUA, lembre-se que NY não é a única cidade sendo atacada !

 

Viajantes estão disseminando percevejos de cama pelos 5 continentes. Estejam atentos.

No Rio de Janeiro, se você tem problemas com “BED BUGS” entre em contato com a KOMBAT BIO SYSTEM PEST CONTROL/INSETOS E ROEDORES que dispõe de pessoal altamente especializado na identificação e eliminação desse tipo de praga.

KOMBAT BIO SYSTEM PEST CONTROL
“O SEU NEGÓCIO É O NOSSO NEGÓCIO”

INFORMATIVO BIO SYSTEM PEST CONTROL – 035/2018 – PERCEVEJOS DE CAMA – SINTOMAS E TRATAMENTO

Percevejo de cama

O percevejo de cama é um minúsculo inseto parasita, de formato oval e cor acastanhada, que se alimenta exclusivamente de sangue de seres humanos ou de animais domésticos.

Por serem muito pequenos, terem hábitos noturnos e se esconderem nos colchões das camas, eles podem passar desperdícios por muito tempo, já que sua picada pode ser facilmente confundida com as de mosquitos ou pulgas.

Nesse artigo, vamos explicar o que são os percevejos de cama, como eles surgem, quais são os sintomas da sua picada e que pode ser feito para eliminar essa praga.

 

O QUE É O PERCEVEJO DE CAMA?

 

Existem diversos tipos de percevejo de cama, mas as espécies que mais afetam os seres humanos são a Cimex lectularius e a Cimex hemipterus.

Esses percevejos são encontrados em todo o mundo e podem infestar qualquer local no qual as pessoas possam descansar. Eles tendem a ser mais comuns em prédios de apartamentos ou qualquer tipo de instalação que receba múltiplas pessoas, tais como abrigos para sem-tetos, dormitórios, hotéis, transportes públicos ou locais de entretenimento, como cinemas ou teatros.

O percevejo de cama é um inseto bem pequeno, do tamanho de uma semente de maçã, com cerca de 5 a 7 mm de comprimento. O seu formato é habitualmente oval e achatado, mas torna-se mais cilíndrico logo após ele se alimentar com o sangue do hospedeiro.

percevejo de cama_02

Os percevejos de cama são insetos que se alimentam do sangue de animais de sangue quente, incluindo humanos; eles são atraídos pelo calor e pelo dióxido de carbono produzido pelo nosso corpo. As picadas são mais comuns à noite, quando a pessoa está dormindo ou parada por muito tempo.

Os percevejos raramente habitam a superfície superior das camas ou das cadeiras. Em vez disso, eles se escondem em rachaduras ou fendas de colchões e almofadas, estrados, dobras das cortinas, carpetes, rodapés ou atrás de papéis de parede ou pinturas descascadas.

Nesses esconderijos, as fêmeas costumam depositar seus ovos, que eclodem após 4 a 10 dias. À medida que a infestação progride, os percevejos se espalham para outros cantos do quarto, bem como para os quartos adjacentes.

Os percevejos são insetos resistentes, que podem sobreviver a temperaturas entre -10ºC e 45ºC e conseguem ficar até um ano sem se alimentar. Eles não têm preferência por ambientes limpos ou sujos. Tudo o que eles precisam é de um esconderijo e um hospedeiro de sangue quente. Ter percevejos de cama, portanto, não é sinal de má higiene pessoal ou da casa.

 

SINTOMAS DA PICADA DO PERCEVEJO DAS CAMAS

 

Os percevejos geralmente causam uma série de picadas seguidas e costumam preferir áreas expostas da pele, como face, pescoço, braços e mãos. Uma refeição completa de sangue dura aproximadamente 5 a 10 minutos e costuma passar despercebida pelo hospedeiro. Somente após algum tempo, geralmente na manhã seguinte, é que as lesões começam a cocar, e a pessoa se dá conta de ter sido picada. Ocasionalmente, a reação à picada de percevejo pode demorar até 10 dias pra surgir, o que torna o diagnóstico bastante difícil, principalmente se paciente tiver sido picado fora de casa.

As reações às picadas dos percevejos variam, algumas pessoas têm poucos ou nenhum sintoma, enquanto outras experimentam uma reação mais intensa, com bastante coceira. As picadas costumam ser múltiplas, pequenas (2 a 5 mm) e avermelhadas, com um ponto mais escuro no centro. Picadas múltiplas que formam uma linha são típicas, mas nem sempre estão presentes. Sem tratamento, elas costumam levar de três a seis semanas para desaparecer. Se houver uma infestação de percevejos, o paciente pode chagar a ter dezenas de picadas pelo corpo.

Apesar do percevejo de cama não transmitir nenhuma doença, as picadas podem causar grandes transtornos, principalmente de origem psicológica. As pessoas que vivem em locais infestados por percevejos costumam experimentar níveis significativos de estresse e ansiedade, gerados pela coceira e pelo fato de saberem que há insetos em suas camas que irão picar durante a noite.

DICAS SOBRE A PRESENÇA DE PERCEVEJOS DE CAMA

 

Nem sempre é fácil distinguir as picadas dos percevejos daquelas de mosquitos, pulgas ou escabiose. Algumas pistas, porém costumam estar presentes. São elas:

• Picadas que surgem sempre quando o paciente acorda e demoram muitos dias para desaparecer.
• Picadas múltiplas formando uma linha.
• Pontos de sangue pela cama, que podem ocorrer quando os percevejos são acidentalmente esmagados pelo peso do seu corpo logo após terem se alimentados.
• Cheiro desagradável de mofo pelo quarto, que são produzidos pelos insetos.
• Pequenas manchas pretas em seu colchão, provocadas por fezes do percevejo (como na foto anterior).
• Cascas de pele do inseto pela cama, que são deixadas para trás à medida que os percevejos crescem.
Obviamente, se você vir o percevejo em algum ponto do seu quarto, o diagnóstico está feito, mesmo que você não tenha lesões de pele relevantes.

 

TRATAMENTO DAS PICADAS DO PERCEVEJO DAS CAMAS

 

As picadas de percevejo resolvem-se espontaneamente, mesmo sem tratamento. No entanto, se o prurido for significativo, corticosteroides tópicos de baixa potência, como a triancinolona 0,1%, e/ou anti-histamínicos por via oral costumam aliviar os sintomas. Esses tratamentos, porém, são apenas sintomáticos. Se não houver controle da infestação, novas picadas vão continuar surgindo.
Os pacientes devem manter uma boa higiene e evitar coçar excessivamente as lesões para que estas não se contaminem com bactérias da pele.

 

COMO ELIMINAR O PERCEVEJO DE CAMA

 

A forma mais eficaz de eliminar o percevejo é através de ajuda profissional, com equipes de controle de pragas. A erradicação desse inseto é bem difícil e você deve resistir à tentação de querer tentar resolver o problema sozinho. Não tente aplicar pesticidas ou outras medidas de controle químico por conta própria. A eliminação de percevejos requer profissionais treinados e experientes.

Algumas medidas, porém, podem ajudar a reduzir a infestação enquanto a equipe profissional não chega:

• Lave as roupas de cama, lençóis, cortinas e roupas pessoais em água quente por pelo menos 20-30 minutos
• Seque as roupas e os lençóis na secadora com temperatura máxima (percevejos costumam morrer em temperaturas acima de 50ºC)
• Coloque bichos de pelúcia, sapatos e outros itens que não possam ser lavados na secadora e ligue em temperatura alta por cerca de 30 minutos.
• Use uma escova com cerdas duras para esfregar as costuras do colchão e remover os percevejos e seus ovos.
• Aspire a cama e áreas ao redor com freqüência. Após a aspiração, coloque imediatamente o saco do aspirador em um saco de plástico e coloque-o no lixo ao ar livre.

• Se possível, limpe bem o colchão com vapor quente.
• Após a limpeza, forre o colchão com uma capa com zíper para evitar que os percevejos (ou os ovos) que possam ter permanecidos escapem. Como os percevejos podem viver até um ano sem se alimentar, mantenha essa cobertura por mais de 12 meses.
• Procure ativamente pelos percevejos nas costuras e embaixo dos colchões, atrás das cabeceiras, em frestas e nas rachaduras do estrado.
• Desfaça-se de itens desnecessários que possam abrigar os insetos, tais como móveis ou roupas de cama velhas.
• Se você suspeitar que os percevejos possam ter sido trazidos para casa após alguma viagem, procure bem dentro das malas e tente mantê-las fora de casa. Nunca guarde malas de viagem perto da sua cama.

Medidas que NÃO são eficazes contra os percevejos:

• Dormir de luz acesa.
• Utilizar repelentes para mosquitos ou outros insetos.
• Utilizar inseticidas que não são específicos para percevejos.
• Utilizar essências aromáticas ou outros produtos feitos em casa à base de produtos naturais.
• Não enrole roupas em sacos plásticos e coloque ao sol. É pouco provável que a temperatura fique quente o suficiente para matar todos os insetos.

Matéria extraída do site: www.mdsaude.com

OS 13 MAIORES INSETOS DO MUNDO

Doenças transmitidas pela água

A maioria das doenças transmitidas pela água são causadas por micro-organismos presentes em reservatórios de água doce, habitualmente após contaminação dos mesmos por fezes humanas ou de animais. A transmissão do agente infeccioso através da água pode ocorrer pelo contato com a pele durante o banho, pela ingestão ou pela aspiração de germes presentes na água.

A forma mais comum de contaminação é através da ingestão, seja diretamente bebendo água contaminada ou pelo consumo de alimentos lavados com água infectada.

Nas regiões onde não há saneamento básico (falta de água tratada ou rede de esgoto), as doenças infecciosas podem ocorrer devido à contaminação da água de rios, lagos, córregos e, em alguns casos, até mesmo do mar por dejetos humanos e de animais. O modo mais comum de contaminação das águas é através do despejo de esgoto não tratado.

 

Só para se ter uma ideia, quantidades mínimas de fezes, como apenas um grama, podem conter cerca de 10 milhões de vírus, 1 milhão de bactérias ou até 1000 parasitas.

 

Além das infecções transmitidas diretamente pela água, há também outras doenças relacionadas à água, como infecções causadas por mosquitos que se reproduzem em água doce parada, nomeadamente denguefebre chikungunya e febre amarela. Como estas não são doenças transmitidas diretamente por água contaminada, elas não serão citadas neste artigo.

O consumo de água contaminada por substâncias químicas, como chumbo, arsênico e flúor, também pode levar a doenças. Neste texto vamos fazer uma rápida revisão sobre as principais doenças causadas por água contaminada com germes. Se você quiser saber mais detalhes sobre as doenças citadas neste texto, utilize os links fornecidos para acessar os artigos específicos sobre cada uma.

Para saber a importância de lavar as mãos na prevenção de doenças, leia: A IMPORTÂNCIA DE LAVAR AS MÃOS.

 

DOENÇAS INFECCIOSAS TRANSMITIDAS PELA ÁGUA

 

1. Hepatite A

A hepatite A é uma infecção viral transmitida pela via fecal-oral, ou seja, a pessoa precisa ter contato com fezes humanas contaminadas para se contaminar.

A transmissão do vírus da hepatite A pode se dar através da contaminação de alimentos preparados por pessoas infectadas que não lavam as mãos após evacuarem ou pelo contato das fezes contaminada com águas, nos locais onde não há saneamento básico. Praias, rios e lagos que recebem esgoto não tratado podem ter suas águas contaminadas com o vírus da hepatite A.

A hepatite A apresenta-se habitualmente como um quadro de diarreia, associada à perda de apetite, náuseas, vômitos, fraqueza, dor muscular, dor de cabeça e febre. Após uma semana surge a icterícia, sintoma clássico da hepatite A aguda, que se caracteriza por pele e olhos amarelados (leia: O QUE É ICTERÍCIA?).

 

2. Cólera

A cólera é uma infecção causada pela bactéria Vibrio cholerae e se caracteriza por um severo quadro de diarreia aquosa, que pode levar rapidamente à grave desidratação.

A cólera também é transmitida pela via fecal-oral, podendo ser adquirida através da água e de alimentos contaminados. O Vibrio cholerae, após ser ingerido, instala-se no intestino e passa a produzir uma toxina que ataca as células intestinais, provocando uma grave diarreia.

3. Diarreia infecciosa

 

Além da cólera e da hepatite A, vários outros germes, incluindo bactérias, vírus e parasitas, podem contaminar águas e os seres humanos que entram em contato com as mesmas. Só para citar alguns:

a) Bactérias:

  • Escherichia coli.
  • Salmonella.
  • Shigella.
  • Campylobacter pylori.
  • Chlamydia trachomatis.
  • Yersinia enterocolítica.
  • Vibrio vulnificus.

b) Vírus:

  • Rotavírus.
  • Norovírus (chamado antigamente de vírus Norwalk).
  • Adenovírus.
  • Sapovírus.
  • Astrovírus.
  • Adenovírus entérico.
  • Pólio.
  • Hepatitis E

c) Parasitas:

  • Giardia lamblia.
  • Entameba histolytica.
  • Trichuris trichiura.
  • Isospora belli.
  • Cryptosporidium parvum.
  • Cyclospora cayetanensis.

4. Leptospirose

A principal fonte de transmissão da leptospirose são os ratos de esgoto. A infecção pode ocorrer após o consumo de líquidos e alimentos, mas a via principal é pelo contato direto da pele com água contaminados pela urina destes roedores. O risco de transmissão é grande durante as enchentes, quando as águas contaminadas dos esgotos se misturam com o excesso de água das chuvas. Quanto mais prolongado for o contato da pele com a água contaminada pela urina de rato, maior é o risco de contágio.

Mais de 75% dos pacientes apresentam febre alta com calafrios, dor de cabeça e dor muscular. 50% apresentam náuseas, vômitos e diarreia. Um achado típico da leptospirose são os olhos acentuadamente avermelhados.

 

5. Esquistossomose

A esquistossomose, também conhecida por barriga d’água ou doença do caramujo, é uma infecção causada pelo parasita Schistosoma, que vive em águas contaminadas por fezes e povoadas pelo caramujo. A esquistossomose pode ser adquirida através da ingestão de água contaminada, mas sua principal via é através da pele em pessoas que se banham em águas contaminadas pelo parasita.

 

6. Otite externa

Exposição do ouvido à água é um fator de risco bem conhecido para otite externa (inflamação da região mais externa do ouvido). A otite externa é também conhecida como “otite do nadador”. O excesso de umidade leva à maceração da pele e à quebra da barreira de cerume, mudando a microflora do canal do ouvido, o que favorece o crescimento de bactérias que causam a otite.

A otite pode ser causada por bactérias ou fungos, e águas com elevado grau de contaminação aumentam ainda mais o risco de lesão do ouvido. Porém, a otite pode surgir mesmo em pessoas que só frequentam piscinas com adequado tratamento da água.

 

7. Legionelose (doença dos legionários)

A legionelose, também conhecida como doença dos legionários, é uma infecção provocada por uma bactéria chamada Legionella pneumophila. A legionelose é uma infecção pulmonar que costuma ser adquirida através da inalação de partículas água contaminadas com a bactéria Legionella.

A legionelose não é transmitida de pessoa para pessoa nem é adquirida pelo consumo de água contaminada. Para adquirir a Legionella é preciso aspirar partículas de água contaminada presentes no ambiente. Diversos tipos de sistema de água já foram identificados como potenciais fontes de legionelose. Entre os mais comuns estão sistemas de aquecimento ou arrefecimento de água, ares-condicionados centrais, banheiras de hidromassagem, chuveiros, equipamentos de água sob alta pressão, umidificadores, chafarizes, fontes artificiais, nebulizadores, saunas a vapor, etc.

Qualquer ambiente onde haja vaporização ou emissão de partículas de água pode ser uma fonte de contágio, caso a água esteja contaminada com a bactéria.

Fonte de consulta: site www.mdsaude.com.

DEDETIZAÇÃO

DESRATIZAÇÃO

DESCUPINIZAÇÃO

HIGIENIZAÇÃO

FUMIGAÇÃO

FUMACÊ